Governança, riscos e compliance

É com grande prazer que publicamos o artigo escrito por Marcos Assi, CEO e fundador da MASSI Consultoria e Treinamento Ltda, Mestre em Ciências Contábeis e Atuariais pela PUC-SP, e autor de 6 livros na área de Governança, Riscos e Compliance.

https://www.linkedin.com/in/marcosassi/

 

Falar de governança, riscos corporativos e compliance é tão comum ultimamente que parece algo antigo, não é verdade?

Estes termos já estão incorporados ao vocabulário corporativo e juntamente com os controles internos e gestão de riscos fazem parte de nosso cotidiano no mundo dos negócios.

Em decorrência dos fatos recentes do mundo corporativo e financeiro, identificamos em nossos trabalhos, pesquisas e leituras em que algumas aplicações de compliance, governança e controles internos passam a ser mais efetivos quando conhecemos os riscos de perdas envolvidos na gestão de negócios e no mapeamento destes riscos.

Mas será que é tão difícil assim? Fácil não podemos dizer que é, longe disso. Não obstante, como implementar compliance, controles internos e gerenciamento dos riscos em organizações sejam elas de pequeno, médio e grande porte, se as pessoas não têm o hábito de efetivar tais controles? Porém, basta acontecer algo relacionado a controles e gerenciamento de riscos para o assunto aparecer nas redes sociais e mídias, e todos ficarem ensandecidos na busca por respostas. E elas são sempre recorrentes, entender o negócio, implementar os controles e obviamente indicar as possibilidades de riscos.

Infelizmente as questões de gestão e governança sempre encontram uma barreira: “a falta de conhecimento do negócio por alguns profissionais”, e de uma metodologia interna para identificação das possibilidades de controles, sejam gerenciais ou regulatórios, além dos riscos envolvidos na atividade. O fluxo dessas informações é muito importante e muitos são os processos a serem identificados, mas ainda falta o entendimento de que a sustentabilidade da organização está na forma de gestão e conduta dos negócios.

Alguns gestores e administradores ainda dizem que controles internos não são tão importantes, pois acreditam que gestão de compliance aliadas à gestão de riscos é um modismo. Contudo, o que muitos não sabem é que não se vive sem as duas na gestão do negócio, e este já é um caminho sem volta, basta perguntar para as pessoas que perderam seus empregos, clientes e investimentos, por que houveram falhas de controles que geraram prejuízos em larga escala.

A cada escândalo, todos se questionam sobre a efetividade dos processos de governança, auditoria, riscos e compliance, afinal ainda vivemos um período em que todas as grandes corporações do mundo passam por crise de credibilidade. Sem contar os fatos ocorridos no Brasil nos últimos anos, com empresas de renome e outras que foram liquidadas por gestão fraudulenta, lavagem de dinheiro, problemas de corrupção, fazendo com que todos sofram – clientes, fornecedores e investidores – com a diminuição da confiança.

A não existência de um modelo padronizado, não justifica deixar de lado a boa governança, pois entendemos que cada organização deve identificar, organizar e implementar a melhor gestão de compliance e de controles internos para as suas informações, processos e sistemas e que a gestão do negócio, segundo as suas necessidades seja efetiva e a apetite por riscos seja mais transparente e responsável.

Geralmente, as questões de governança corporativa, os sistemas de gestão de compliance e controles internos, deixam de lado as questões de gestão de riscos nas organizações, já que, por melhor que sejam seus sistemas de controles internos, baseados em normas, procedimentos, sistemas e metodologias, sempre dependeremos que as pessoas executem suas tarefas de forma ética e responsável.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *